deivisalbers ginecomastia

Ginecomastia – Porque tantos meninos apresentam mamas femininas hoje em dia?

Deivis Albers

 

Porque tantos casos de Ginecomastia? Verdadeiras mamas em rapazes!

Cirurgião plástico lida diariamente com pacientes que recorrem a um procedimento para resolver seus problemas de auto-estima. Sem dúvida, a grande maioria destes pacientes são mulheres, entretanto tenho recebido muitos meninos adolescentes que querem resolver seu problema de auto-estima referentes às mamas. Sim, verdadeiras mamas semelhantes às mulheres! Chamamos de ginecomastia, e não é um problema recente, sempre existiu. Porém, o aumento da incidência é preocupante. Não somente por se tratar de um problema com indicação cirúrgica, na maior parte das vezes, mas também porque se não olharmos para a raiz do problema, não estamos resolvendo em definitivo, estamos somente podando os galhos da árvore. Qual é a raiz do problema? Porque tem surgido tantos casos em nossos consultórios?

Para entendermos isto melhor, precisamos explicar um pouco mais como as mamas se desenvolvem nas mulheres e extrapolar isto para o homem. Os hormônios estradiol e progesterona (conhecidos como hormônios estrógenos  ou femininos) começam a estimular o crescimento mamário da mulher, assim que a adolescente menstrua pela primeira vez, e a cada ciclo os ovários aumentam estes hormônios. Enquanto o estradiol promove crescimento ductal, a progesterona atua sobre o desenvolvimento alveolar. Para que os efeitos estrogênico e progestagênico se manifestem por completo, são necessárias ações de outros hormônios, como prolactina, GH e IGF-1. Em contrapartida, os andrógenos (hormônios masculinos, tipo testosterona) impedem o desenvolvimento mamário. Esse cenário torna-se mais complexo na medida em que os estrógenos podem se originar da conversão periférica de andrógenos como a androstenediona e testosterona pela enzima aromatase. Chamamos isto de Aromatização. Basta lembrarmos que todos estes hormônios esteroidais tem uma origem comum, o colesterol. Veja abaixo:

Desenvolvimento do tecido mamário

 

Síntese de andrógenos e estrógenos

 

17ßHSD:17ß-hidroxiesteróide-desidrogenase; 3ß-HSD:3ß-hidroesteróidedesidrogenase.

 

O crescimento de mamas em meninos ou homens adultos, decorre de um desequilíbrio entre a ação estrogênica e androgênica sobre o tecido mamário masculino. No desenvolvimento normal, existem situações em que isto é considerado fisiológico, como ocorre no período neonatal, na puberdade e na senilidade. Distinguir essas situações fisiológicas de condições patológicas (como induzido por drogas, problemas de tireóide, renais, hepáticos e algumas graves, como as neoplasias) é o principal desafio do clínico diante de um caso de Ginecomastia.

Descartados todas estas possibilidades, 25 % não se encontra uma causa identificável, sendo chamada de idiopática. Esta é encaminhada ao cirurgião plástico, pois gera problemas de auto estima nestes meninos que evitam tirar a camisa na escola, na praia, piscinas, etc.

Aí que vem a questão, será que todos os meninos encaminhados para nós com ginecomastia sem causa identificável, na verdade não estão desenvolvendo um distúrbio hormonal devido a uma alimentação completamente errada? Será que a raiz do problema não é uma resistência à insulina, que está passando despercebida?

Minha impressão é que, ao conversar com os pais destes meninos que me procuram para resolver o crescimento de suas mamas, muitos dos rapazes encontram-se em um estado de hiperinsulinismo. E pasmem, nenhum médico previamente conversou sobre esta questão ou investigou como anda a insulina ou o HOMA – IR destes adolescentes. Tenho investigado isto, e a maioria apresenta insulina de jejum muito alta e HOMA-IR acima de 3, isto é, estado de Resistência à Insulina. De nada adianta, realizar uma cirurgia nestes meninos, se não resolvermos a causa, a origem do desenvolvimento da ginecomastia. Muitos destes, apresentam uma alimentação baseada em comida industrial, ultraprocessada, refinada, repleta de açúcar, com refrigerantes, bolachas, sucos de caixinhas, isto sem falar em pizza, sanduíches, massas, etc. Isto tem sinalizado o corpo deles, a longo prazo, a produzir um estado de hiperinsulinismo, com aumento de depósito de gordura em todo corpo, no subcutâneo e visceral. Sabemos que esta gordura funciona como uma verdadeira fábrica de hormônios e inflamações, sendo responsáveis pela produção de inúmeros hormônios, como leptina, adiponectina, angiotensinogênio, interleucinas…além de estimular a enzima aromatase, que, como vimos acima, desvia o eixo de produção hormonal para aumento de estrógenos, explicando o desenvolvimento de ginecomastia. Então, antes de sairmos operando, com as mais variáveis técnicas de redução de mamas, não seria mais lúcido orientarmos esta família (pois geralmente, o problema é em casa, os pais que compram os alimentos oferecidos aos filhos), que a origem do problema é a alimentação incorreta. Se indicarmos uma estratégia baseada em comida de verdade, naturalmente com mais baixo carboidrato, conseguiremos um emagrecimento destes meninos e, aí sim, persistindo uma ginecomastia, muito menor, podemos indicar uma intervenção cirúrgica, muito mais coerente, e definitiva.

 

BIBLIOGRAFIA

1. Bhasin S. Testicular disorders. In: Kronenberg HM, Melmed S, Polonsky KS, Larsen PR, editors. Williams Textbook of Endocrinology. Philadelphia: Saunders Elsevier; 2007.

2. Braunstein GD. Gynecomastia. N Engl J Med 1993;328:490-5.

3. Braunstein GD. Aromatase and gynecomastia. Endocr Relat Cancer 1999;6:315-24.

4. Hershkovitz E, Leiberman E. Gynecomastia: a review. Endocrinologist 2002;12: 321-32.

5. Lazala C, Saenger P. Pubertal gynecomastia. J Pediatr Endocrinol Metab 2002;15:553-60.

6. Mathur R, Braunstein GD. Gynecomastia: pathomechanisms and treatment strategies. Horm Res 1997;48:95-102.

7. Neuman JF. Evaluation and treatment of gynecomastia. Am Fam Physician 1997;55:1835-44;1849-50.

8. Swerdloff RS, Ng CM. Gynecomastia: etiology, diagnosis and treatment. Disponível em: <endotext.org>.

9. Thompson DF, Carter JR. Drug-induced gynecomastia. Pharmacotherapy 1993;13:37-45.

10. Lautenbach, A.; Budde, A.; Wrann, C.D. “Obesity and the Associated Mediators Leptin, Estrogen and IGF-I Enhance the Cell Proliferation and Early Tumorigenesis of Breast Cancer Cells”. Nutrition and Cancer, 2009; 61(4):484-91.

11. Endogenous Hormones and Breast Cancer Collaborative Group. “Endogenous Sex Hormones and Breast Cancer in Postmenopausal Women: Reanalysis of Nine Prospective Studies”. Journal of the National Cancer Institute, 2002; 94:606-16.

12. Johnson, R. E.; Murah, M. H. “Gynecomastia: Pathophysiology, Evaluation, and Management”. Mayo Clinic Proceedings, nov. 2009; 84(11):1010-5.

13. Pynnönen, P. A.; Isometsä, E. T.; Verkasalo, M. A. et al. “Gluten-Free Diet May Alleviate Depressive and Behavioural Symptoms in Adolescents with Celiac Disease: a Prospective Follow-Up Case-Series study”. BMC Psychiatry, 2005; 5:14.

14. http://www.scielo.br/scielo.php?pid=S0004-27302000000500002&script=sci_arttext&tlng=pt

15. http://www.scielo.br/pdf/abc/v93n1/v93n2a13.pdf

16. http://www.aem-sbem.com/media/uploads/03_ABEM586.pdf

17. https://www.sciencedirect.com/science/article/pii/S0103058215001240

18. https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pmc/articles/PMC4182990/

19. http://www.scielo.br/pdf/rpp/v32n1/pt_0103-0582-rpp-32-01-00055.pdf

20. http://www.jped.com.br/conteudo/10-86-03-245/port.asp

 

Autor:

Dr. Deivis Albers – Cirurgião Plástico

   

 

Por gentileza, se deseja alterar o arquivo do rodapé,
entre em contato com o suporte.
%d blogueiros gostam disto: